terça-feira, abril 08, 2008

Enraivecida

- ... aí ele começou a chorar de raiva.
- Ele o quê?
- Ele chorou de raiva.
- Ah, tenha dó...
- Ué, por quê? Não se pode chorar de raiva? Você queria o quê?
- Ah, chorar de raiva é coisa de imbecis. Tanta coisa para se fazer quando se está com raiva!
A expressão do rosto dele mudou. Ela, perfumada e pretensiosa, lhe pareceu bem menos respeitável.
- Então ele deveria ter matado? Reagido com fúria? Acredito que chorar foi a coisa mais acertada que ele poderia ter feito.
- Não seja estúpido. Só devemos chorar em enterros, partidas...
- Pois eu acho que chorar de raiva é o que separa os homens dos animais. Quando alguém morre, a única coisa que podemos fazer é chorar. Mas quando estamos com raiva, há inúmeras coisas que podemos fazer, como você mesma disse. Podemos matar, despejar a raiva em forma de violência. Podemos rolar pelo chão feito loucos, ganindo e babando.Chorar é a opção mais civilizada e demonstra caráter.
- Para mim demonstra estultícia.
- Pois para mim você é que é a própria expressão da estultícia. Esse monte de rendas e perfumes não esconde completamente o orangotango que você é.
- O quê?
Seus olhos pareciam dois pratos de vidro. Estava atônita. Orangotango! Fechou a sombrinha e dirigiu-se para mais perto, a fim de exigir satisfações. Ele, dando-lhe as costas, foi andando tranqüilamente para o carro.
- Quem é o orangotango? Quem? Seu monstro!
- Então me mostre uma reação humana! Mostre! Faça alguma coisa digna de admiração! Estou farto de você ter sempre razão. Sua mimada arrogante.
Dizendo isso, ele entrou no carro e não esperou que ela entrasse. Deu partida no motor e, sorridente, atirou o cigarro para fora da janela, enquanto acenava um tchauzinho.
Ela, boquiaberta e furiosa, assistia à sua partida em desespero. Ficar sozinha naquele campo! Ele não ousaria. Monstro insensível! Ah, mas haveria de pagar!
A raiva tomou conta dela, que agitava impotente sua sombrinha enquanto via o carro manobrar para longe. Antes mesmo que a nuvem de poeira se dissipasse, já estava banhada em lágrimas...

Um comentário:

Larissa Bohnenberger disse...

Incrível!
Bate na boca...