sexta-feira, julho 18, 2008

Momento catártico

Serviu-se de uma bebida. Acendeu um cigarro e fumou metade. Esqueceu o restante no cinzeiro enquanto cismava.
O vento gelado e as buzinas dos carros na rua não foram capazes de distrair sua atenção do assunto.
Anoiteceu e as luzes não foram acesas. Continuou ali, com o copo na mão, imaginando coisas.
O gato pediu comida, o cachorro arranhou a porta. Ninguém foi atendido.
Parecia uma espécie de surdez, ou de transe, ou de catalepsia. Horas e horas na mesma posição, com os olhos fixos.
De repente, um sinal de vida. Piscadelas rápidas para umedecer os olhos.
Levantou-se depressa, com um estalo nas costas.
- E agora vou fazer um café! anunciou trinfante.

Um comentário:

Maria Tereza disse...

bacana!
tirando a parte do cinzeiro e do cigarro, me identifiquei!!!
bom final de semana