sexta-feira, abril 03, 2009

Enjoei de gente

Ah, quando eu tiver um tempinho, preciso declarar guerra. Sabe? Isso aqui está um tédio. E toda essa gente aí (chacoalhando a mão com desprezo) merece guerra.
Não sei ainda o que vou alegar, alegar o quê? Sei lá, insatisfação? Isso justifica guerra? Podia alegar que são perigosos.
Infelizmente a guerra é uma coisa suja, e eu ando muito sem tempo por causa de um bonsai de sequóia que resolvi de fazer.
Mas essa idéia não me sai da cabeça, chego a sonhar com bazucas e lança-mísseis, e, pérola da obviedade, Die Walküre ao fundo enquanto bombas explodem em câmera lenta. É tão romântico.

Eu e minha gata Picky gostamos de programas de televisão que mostrem repórteres visitando os lugares mais esdrúxulos do mundo, como Abecásia, República Gabonesa ou o Alto Carabaque com o intuito de comer grilos e dançar mamushka. Ela acha chiquérrimo comer grilos.
Sonhamos fazer um passeio desses, montadas em lhamas ou ornitorrincos. Depois disso, um chá bem civilizado e bum! Mandamos tudo pelos ares com a bazuca. Fale a verdade: a idéia é ótima.

Também gostaria de dirigir um trator de esteiras, não sei por quê. Imagine subirmos (eu e a Picky) montes de pedras, empurrando toras de madeira com o tal trator. Depois, uma pausa para um chocolate e bum! Explodimos tudo com a bazuca.

Sabe, há certa beleza na destruição, quando é feita por gosto e com vontade. Mas nem sempre torço pelos malvados. E nem sempre destruir é maldade. Oh, com que bondade eu mandaria pelos ares a América do Sul e toda a Oceania! Com que nobres intenções eu serraria a Ásia e atearia fogo, tendo apenas o cuidado de resgatar os pandas e outros bichos cute, antes de ver tudo arder alegremente, iluminando a noite.
Nada pessoal contra ninguém de lá, longe de mim! Não se trata de preconceito e sim de sensatez. Adiante, eu colocaria toda a população da Europa numa nave com destino a Júpiter, onde teriam muito mais espaço, se é que me entendem. Cada um poderia ter um terreno do tamanho da Terra e ainda sobraria planeta. Por fim, abriríamos mão de Jupíter e o chutaríamos para fora do nosso sistema solar. Depois, os americanos. Ouvi falar de uma estrela recém-descoberta fora da nova Galáxia que é o novo Lower East Side. Podíamos mandá-los para lá. Aí, a explodiríamos com um foguete.

Quando tudo melhorasse e houvesse mais espaço na Terra, o preço dos aluguéis cairia muito e haveria bens de sobra para os endividados. Se bem que essa gente ingrata logo reclamaria que a ajuda não é lá essas coisas, que precisavam de mais, que sentiam falta de gente... e bum! Mandaríamos tudo pelos ares.

2 comentários:

Badá Rock disse...

Eu sei que "idéia" não tem acento, mas a idéia é minha e eu a idealizo como preferir. Mas seja bem-vindo a comentar.

bastaestarvivo disse...

você está um tanto violenta demais.
e eu moro na america do sul e não estou muito interessado em ser explodido hoje.
outra dia talvez.