sexta-feira, setembro 24, 2010

Como tudo me faz sentir

Hoje eu acordei de mau humor. Não aquele mau-humorzinho que dá ao me dar conta de que já é sexta-feira, mas ainda é de manhã, e que ao longo do dia vai passando para aborrecimento, ansiedade, expectativa, otimisto, alegria e finalmente a felicidade. Nada disso.
Um mau-humor capaz de me transformar numa espécie de Górgona, porém exagerada. Ou, para quem prefere a mitologia brasileira, num Anhangá ou coisa que o valha (não peço desculpas pela comparação xexelenta).
Acabo de ingerir mais calorias que toda uma festa infantil no McDonald's. Isso me deixa ainda pior. Gorda com remorso é uma tristeza. Gorda, gorda, goooooorda eu não sou, mas sei que vou ficar, por culpa do maldito doce.
Estou fazendo as malas para uma viagem. Veja o quanto estou feliz com isso. Mal posso esperar para embarcar. Estou tão otimista com a viagem. Graficamente falando, estou tão otimista quanto se Doris Lessing e Ernest Hemingway se encontrassem numa manhã chuvosa de Agosto, dia 13, numa pequena capela romena, para a missa fúnebre de um amigo em comum, e ambos sentissem dores nas articulações, e cada um tivesse passado em cima de seu respectivo animal de estimação ao tirar o carro para comparecer ao dito funeral, e fizesse muito frio, e faltasse energia na igreja, e o padre fosse igualzinho àquele velho de chapéu do filme Poltergeist, e quando a energia voltasse o órgão emitisse uma longa e grave nota sem que ninguém o tivesse tocado, e no dia anterior o presidente de um país da Europa tivesse sofrido um atentado, e um meteoro viesse em direção à Terra, e os números da loteria sorteados no dia anterior fossem todos aziagos, e fosse dia de Lei seca, e a última garrafa de uísque de Hemingway tivesse acabado na noite anterior, e Lessing estivesse gripada, e a viúva do falecido parecesse Carrie a Estranha, e um dos coroinhas tivesse um ataque cardíaco durante o serviço, etc. etc. etc.
Tal é meu estado de espírito.
Mas resolvi mudar isso. Não sei como ainda, e me aborrece pensar, mas desejo firmemente mudar meu estado de ânimo para algo mais alegre, mais "Morrissey", mais cinzento, menos mefístico.
Tentarei jogar Tetris. Foi a coisa mais alegre que me ocorreu. Se não funcionar, tentarei abrir a cortina. Se tudo falhar, voltarei para a cama e fingirei que ainda é quinta. Quem sabe acordo melhor amanhã.

Nenhum comentário: