segunda-feira, dezembro 06, 2010

Nuvem

Dos nove filhos que tive, apenas dois sobreviveram. Um não serve para nada. Anda atrás de mim como um pinto novo. Corre pouco e não faz força.
O mais velho é vigoroso e belo. Casou-se, mas não me deu netos. A mulher faz cara feia e é de família estranha.
Desde que o pai deles morreu, não pedi mais outros filhos. Não deixo homens virem à minha tenda. Nem bebida me entra na boca. Desgosto e sofrimento já amargaram meus dias.
Minha família é morta. Meu pai e meu marido não terão descendentes - meus irmãos caíram sob as mãos dos brancos.
Essa noite sonhei com um cervo branco na Lua.
(Da série: memórias de fatos que nunca ocorreram)

Nenhum comentário: