domingo, maio 27, 2012

As idas e vindas

Ficar triste não é mau, eu sempre me permito a tristeza, mas nunca afogar-me em tristeza. É normal prantear nossas perdas, emocionais ou físicas. 
Há dias em que precisamos receber menos estímulos, para poder pensar. Precisamos de silêncio, espaço, penumbra. Quando conseguimos pensar com clareza, a tristeza passa. Tudo volta aos seus rumos certos. Os trens voltam a trilhar seu caminho, e passarão, e alguns embarcarão nos trens, outros esperarão pelo próximo. Algumas vezes somos os passageiros, outras vezes somos os próprios trens, e alguns de nós já são estação e não vão a parte alguma. As viagens não param enquanto vivemos, e é normal haver contratempos, perdas, acidentes, tristezas, mortes. Mas também há belas paisagens, chegadas, reencontros, conversas ligeiras entre os vagões, personagens estranhos, divertidos ou necessitados de ajuda, que por coincidência compartilham conosco aquele momento na viagem, e que seguirão seu rumo adiante e talvez nunca mais vejamos. 
É importante alegrar-se com os colegas de viagem, porque pode ser que na próxima parada os percamos para sempre. E não fazer caso de pequenas manias, desconfortos, maus momentos, porque nem sempre viajamos porque queremos ou porque gostamos, mas porque é a vida, e é preciso vivê-la.
A todos vocês, boa viagem.

Um comentário:

Luís Gustavo Brito Dias disse...

- verdade.
por isso, às vezes, acho necessário parar na sua estação.

as palavras sempre ajudam.


grande abraço.
boa sorte.